Virtude masculina e desenvolvimento

Somos ensinados que a razão biológica é que estamos aqui para sobreviver e se reproduzir, mas como agora ambos são fáceis de realizar sem muito esforço sobre nossa energia ou recursos, nos é dado tempo extra para viver por razões além da biológica.

Como os homens devem gastar esse tempo? Que código de moralidade ou princípios devem guiar os homens em suas vidas diárias? Existe um significado mais profundo na vida que pode nos ajudar a estabelecer metas melhores?

As respostas para essas perguntas são difíceis, mas devemos procurar.

Enquanto a maior parte do mundo está descendo a colina para perseguir a imoralidade, a degeneração e os prazeres básicos, o homem que deseja auto-realizar-se precisa, ao invés disso, subir pelo caminho mais difícil que o torna um homem melhor hoje do que era ontem.

Ele deve instilar dentro de si um código que cria a ação correta e pensamentos corretos para se separar das massas histéricas, permitindo-lhe operar em um nível elevado de consciência e existência.

Aristóteles aponta-nos virtudes como a prudência, temperança, coragem e justiça.

As filosofias orientais ensinam o autocontrole do desejo.

O estoicismo tempera o desejo e almeja a fortaleza mental contra o infortúnio.

Ralph Waldo Emerson e Henry David Thoreau ensinaram autoconfiança.

É importante examinar os grandes homens do passado para construir um código vivo que possa ajudar os homens no presente.

Porque é certo que o arranjo da sociedade atual não leva à virtude masculina ou ao avanço do caráter. Tal progresso só pode vir de um pensamento mais profundo e auto-exame.

Jhonny Nergal
Um iconoclasta; nada é sagrado demais para que não possa ser questionado.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *