O que é você

Eu não sei quem te disse que você era especial, mas você não é. Você é um robô sem rosto em uma multidão de outras máquinas robotizadas e sem rosto, tanto quanto os outros, seu estilo de vida se tornará quase indistinguível de milhões de seres humanos. Ser-lhes-ão vendidos os mesmos produtos, a mesma música, a mesma crença de mesmice que permeia toda essa construção maciça.

Exceto que… Isso não está certo, está? Esse é o pesadelo do mundo moderno. Isso é o que eles estão procurando vender a você, opiniões, desejos, ilusões e distrações pré-embaladas e prontas para serem forçadas goela abaixo desde o momento que você nasceu…

…Você não é um ser humano, você é um consumidor. Uma estatística viva, que respira, reproduz, expira, desintegra. Desde a primeira respiração neste planeta ainda sujo de sangue, sua vida tem sida enchida com comercias, ideias, produtos. Seus pequenos olhos já estão tomando conhecimentos dos cenários de como “deve” ser a vida…

…Mas você não é igual, você não morrerá escravo a menos que deseje isso…

Seu destino não é beber do sedativo da modernidade, e ficar calmamente esperando o abate, junto daqueles que esperam ser abatidos e têm suas energias sugadas para alimentar a Grande Máquina, à alimentando, sustentando-a, tornando-a mais forte e maior, a medida que você se torna mais fraco e pálido e impotente.

Para escapar, você deve despertar. Quando você despertar do efeito anestésico da grande massa, e ver com os seus próprios olhos o que este mundo arrogante fez com você. Você será inundado com uma alta injeção de ira. Esta ira será alimento precioso, para através da disciplina, forjar com ferro-fogo-suor-sangue sua mente e seu corpo em algo verdadeiramente humano.

Quando a viagem é muito árdua, muito difícil. Quando o fim da estrada não pode ser visto, ou imaginado, e o cansaço começa a pesar, uma vaga ideia de descanso vem a sua mente recentemente liberta. “Apenas por um momento”, você sussurra para si mesmo através dos seus lábios rachados e sangrentos, enquanto por alguns minutos de repouso seus olhos começam a fechar e a doce toxina da mediocridade começa mais uma vez a fluir nas suas veias…

Esta é a maneira fácil, e estar acordado é tão difícil. Tão solitário, e a recompensa é tão intangível.
Este “descanso momentâneo” vai acabar com você. Isso irá destruir a sua determinação, a medida que recaia nos vícios de conforto, preguiça, prazer químico, ilusão após ilusão e, finalmente, uma morte ignóbil.

Você terá sua última respiração, uma engrenagem danificada que deve ser jogada fora da Grande Máquina e ninguém se importará, porque você era não era nada e você viveu por nada e morreu por nada…

…Outro consumidor doente fechando os olhos pela última vez neste zoo humano, na grande fazenda industrial deste planeta Terra, uma fazendo na qual você é o gado. Seu cadáver será liquefeito para alimentar os vivos, e eles vão pensar “como ele era especial”, por uma pequena fração de segundo, e então seu nome será apagado dessa realidade para sempre.

Não podemos desistir. Não podemos perder a esperança. Não podemos perder o coração.
A luta está em andamento, é brutal, é contínua. Nós somos a única “vítima” desta guerra, e não podemos perder. Há outros lutando também – e devemos encontrá-los. Devemos adicionar nossa força à sua. Permanecer acordados e lutar até o último suspiro pela nossa verdadeira liberdade…

… Numa época em que essa ação é perigosa – não devemos temer. Nossos corações devem ser puros. Nossos corpos devem ser fortes. Nossas ações devem corresponder às nossas palavras…

… Devemos nos tornar poetas guerreiros, filósofos fora da lei, inspirados – não podemos ser fortes apenas em mente, ou apenas no corpo. Nosso sangue deve ser limpo, não preenchido com as toxinas da modernidade. Nosso sangue deve estar fervendo com ira justa, e o esforço de treinamento físico e mente mais afiada e cortante do que às melhores espadas.

– Jhonny Nergal

Jhonny Nergal
Um iconoclasta; nada é sagrado demais para que não possa ser questionado.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *